O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Tragédia em Petrópolis e as mudanças climáticas

0

Tragédia em Petrópolis é indício das mudanças climáticas. Ambientalistas afirmam que eventos climáticos adversos serão cada vez mais frequentes no Brasil e no mundo.

Tragédia em Petrópolis (RJ), fruto do temporal que matou pelo menos 104 pessoas, é visto por especialistas como o resultado das mudanças climáticas mundiais ao longo das últimas décadas.

A ‘ponta do iceberg’ e um ‘pedaço do problema ambiental no mundo’ foram alguma das expressões utilizadas pelos ambientalistas para explicar a situação vivida no município da Região Serrana do Rio de Janeiro.

A tragédia na cidade de Petrópolis foi causada em função do maior volume de chuvas registrados na história do município, em 24 horas. É o que aponta o relatório do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), que iniciou o mapeamento da região desde 1972.

Em entrevista concedida à CNN, a Gerente de Clima no World Resources Institute (WRI), organização não governamental ligada ao meio ambiente, Caroline Rocha, afirmou que os eventos climáticos adversos serão cada vez mais frequentes no Brasil e no mundo, caso a temperatura média global continue subindo.

PUBLICIDADE

Os dados utilizados pelo WRI, que fazem parte do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), mostram que, até o momento, o aquecimento global gerou uma alta de 1,2°C no planeta.

“Com as mudanças climáticas, essas catástrofes são inevitáveis, e vão continuar acontecendo. A situação ainda pode piorar, em todo o mundo. Se hoje presenciamos um cenário absurdo, no futuro pode ser muito pior. Lugares como Petrópolis precisam ter isso em mente. Os eventos climáticos que costumeiramente acontecem na cidade, não serão mais exceção e sim a regra. E o governo desses locais precisa melhorar a infraestrutura de forma urgente. É apenas um pedaço do problema ambiental no mundo”, ressaltou Caroline Rocha.

Nos últimos cinco meses de chuva no Brasil pelo menos quatro estados foram atingidos pelas catástrofes ambientais: Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais e São Paulo. Cerca de 150 pessoas morreram.

Eventos climáticos no Brasil e no mundo

A pesquisadora Caroline Rocha diz que os eventos adversos não atingem somente o país, e sim todos os continentes. “Somente nos últimos meses, nós percebemos várias situações extremas no Brasil. Temos o caso de Petrópolis, as mortes na Bahia e as chuvas incomuns em Minas Gerais”.

“E isso não acontece só dentro do país. Os Estados Unidos estão tendo uma questão muito grave com incêndios, principalmente na California. A Austrália tem uma crise hídrica muito importante. A África também tem dificuldades com acesso à água tratável. Já na Europa, os países estão percebendo efeitos drásticos de inundações. Todos os continentes vão sofrer de alguma forma”, aponta a Gerente de Clima do WRI.

Para o professor da Coppe e do Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais (IVIG), Marcos Freitas, as mudanças climáticas também devem gerar uma escassez hídrica em determinadas áreas. Ele cita a situação do Sul do Brasil, que registra a pior seca dos últimos 70 anos.

“Os modelos climáticos indicam um aumento na intensidade e a frequência dos eventos adversos. Não teremos somente mais chuvas intensas e mais fortes, como também as secas, que devem registrar uma alta de casos”, disse o professor da Coppe.

Também de acordo com o climatologista peruano José Marengo — coordenador geral do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), não é preciso olhar para cima ou esperar o futuro para se dar conta da emergência climática que vivemos: o clima já está mudando no presente. E a tendência é que os eventos extremos se tornem cada vez mais extremos — e corriqueiros.

No início de janeiro, tivemos recordes de calor históricos no Sul do Brasil, fruto de uma onda de calor que já deixou parte da Argentina sem energia elétrica. Em Minas Gerais e no sul da Bahia, a população sofre com chuvas muito acima da média, para citar apenas algumas das regiões do país com catástrofes climáticas.

O que está acontecendo este ano, e já começou novembro do ano passado, um verão chuvoso porém atípico, é um exemplo. Normalmente, a área de chuva, chamada de zona de convergência do Atlântico Sul, em que se converge a umidade que vem da Amazônia e do Atlântico, está no Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, Rio, São Paulo). A atipicidade registrada em dezembro, demonstra a mudança, pois esta área de convergência estava mais ao norte, sobre o sul da Bahia. A região não estava preparada para o excesso de chuva, porque essa região não está habituada a essa chuva como o Sudeste. 

Marengo faz um alerta: a agenda ambiental é algo de que precisamos falar o tempo todo. Porque o meio ambiente está sempre mudando.

Os alertas de especialistas são claros e unanimes.

Em nota, o Greenpeace Brasil destaca que o temporal em Petrópolis “escancara o que a ciência já alerta há tempos: o agravamento da crise climática torna os eventos extremos cada vez mais intensos”. O comunicado ainda traz que a tragédia poderia ser evitada.

“O risco decorrente da crise do clima é presente e historicamente negligenciado pelos órgãos governamentais, que precisam urgentemente criar medidas de prevenção, adaptação e desenvolver ações estruturais de enfrentamento a este cenário. Por isso, precisamos pressionar para que os estados brasileiros decretem emergência climática, para trazer soluções em constante diálogo com a sociedade civil”, afirma Rodrigo Jesus, porta-voz do Greenpeace Brasil.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

5 × dois =