O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Com taxa Selic a 2,25%, mínima histórica, onde investir?

2

Com a taxa Selic a 2,25%, a mínima histórica, onde investir seu dinheiro? Para gestores de patrimônio, alongamento dos prazos na renda fixa, fundos de arbitragem de ações e alocação global são as melhores alternativas no momento.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) cortou a taxa Selic em 0,75 ponto percentual, renovando a mínima histórica para 2,25% ao ano. Com as taxas mais baixas a busca por ativos de maior retorno e volatilidade, as rendas variáveis, que estavam em grande procura antes da crise, aos poucos voltam a ser bem vistas pelos investidores, porém com muita cautela.

taxa selic
imagem retirada de Contábeis

Em quase todo tipo de investimento é de extrema importância saber seu perfil e além disso focar no que você pretende. Com as atuais quedas na taxa Selic realizadas pelo Copom, o foco, contudo, precisa estar mais voltado para o médio e longo prazo, alertam os especialistas.

Para o investidor que esteja disposto a buscar ativos com maior prazo de vencimento, em que pese a taxa Selic no piso histórico, ou seja as rendas fixas, ainda há prêmios atraentes até mesmo entre os títulos públicos de risco soberano. Para esse nicho de investidor a renda fixa ainda não morreu, porém é preciso peneirar muito para se conseguir um bom rendimento e boas oportunidades.

PUBLICIDADE

Dentro do cenário atual de Pandemia e incertezas, para os investidores que possuem um perfil mais conservador e buscam as rendas fixas, especialistas recomendam a alocação em títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+) de prazo intermediário, com vencimentos em 2025 ou 2030. Na teoria, os títulos indexados à inflação (CDI e taxa Selic) – principal referência das aplicações de renda fixa, são mais defensivos, embora também tenham sofrido bastante na crise.

A busca por crédito privado tem seu espaço

Ainda no campo da renda fixa, porém com uma expectativa maior de retorno (vale lembrar que o risco vem atrelado), o segmento de crédito privado, também foi recomendado por especialistas, pois ainda há títulos de dívida, levando em conta a relação risco / retorno, atraentes.

Outras opções atraentes são os Certificados de Recebíveis Imobiliários e do Agronegócio (CRIs e CRAs), bem como em debêntures de infraestrutura, isentas de IR.

Se você está procurando investimentos com retornos interessantes comparados com outros produtos de renda fixa, os Certificados de Recebíveis Imobiliários e do Agronegócio (CRIs e CRAs), bem como os debêntures são boas opções.

Debênture é uma forma de emprestar dinheiro para empresas e assim receber juros maiores do que em títulos de instituições financeiras, mas é importante ficar atento à solidez da companhia, empresas tidas como “mais óbvias”, com solidez financeira e que atuem em segmentos resilientes, como de transmissão de energia, por exemplo.

Multimercados

Se você não se contenta com os rendimentos de rendas fixas e quiser retornos mais expressivos, terá de ir para a Bolsa, e pelo momento que vivemos, pode ser por meio de fundos multimercados, pois com carteiras diversificadas com juros, moedas, renda fixa e ações, tendem a apresentar volatilidade menor que os fundos de ações. Os fundos quantitativos também podem ser uma opção, principalmente em momentos de maior volatilidade.

Renda variável

Caso a escolha do investidor seja por um fundo de ações, a seleção do gestor é fundamental para obter um resultado satisfatório, caso o contrário as perdas podem ser grandes, devido a grande volatilidade do momento.

Porém como eu sempre digo, no mercado de bolsa de valores é necessário sempre ter sangue frio e pensar no longo prazo. Em um horizonte de 18 a 24 meses, o investimento em ações é uma boa opção. Em momentos de crise surgem diversas oportunidades, e o investidor precisa ter paciência para que o valor do ativo convirja para o preço-justo.

São nesses momentos de crise e instabilidade que comprar nas quedas mais abruptas é um excelente negócio, porém com uma visão voltada para o longo prazo.

O momento pós pandemia tornará as empresas sobreviventes mais sólidas, pois a concorrência ficará pelo caminho. E partir para compra de ações será algo interessante, assim como Fundos imobiliários sempre caem bem em qualquer carteira.

O importante para você que não possui um especialista em economia e não está tão intimo com o mercado financeiro é fazer um mix de seus investimentos, sempre diversificar entre rendas fixas e variáveis para poder garantir bons retornos e se manter seguro.

Para o momento pós pandemia, empresas dos setores bancários serão ótimas opções, fica a dica.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

você pode gostar também
2 Comentários
  1. […] as vantagens do bitcoin, podemos citar a falta de um governo ou Banco Central para controlar taxas e alterar o funcionamento da moeda e o baixo número de transações. O anonimato nas […]

  2. […] lembrar que o valor da restituição é corrigido pela taxa Selic, acumulada a partir do mês de maio até o mês anterior ao do pagamento, acrescido de mais 1% no […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

sete + 14 =