O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Renda cidadã é inviável, inconstitucional e maracutaia

0

O tal Renda cidadã, que já foi Renda Brasil e que nada mais é que o Bolsa Família, foi proposto nesta segunda-feira (28), pelo governo federal – que mais parece quadro dos trapalhões, do que um governo: Capitão pincel e seus generais.

Mesmo após dizer que estava proibido falar em Renda Brasil, Bolsonaro vem a público apresentar outro Renda Brasil, só que mais desconexo e mais inviável, o Renda cidadã.

A proposta do governo foi utilizar verba de precatórios do governo, cuja a divida já ultrapassa os 70 bilhões, e dinheiro do Fundeb, recém aprovado, para financiar um projeto de renda.

Bolsonaro gostou tanto da popularidade que o auxilio emergencial (proposta da câmara dos deputados) trouxe ao governo que a todo custo quer aprovar algo nos moldes. Sua intenção é apenas surfar numa popularidade momentânea junto à população mais carente.

Parlamentares, investidores, juristas, economistas, entidades civis… todos receberam muito mal a proposta do governo de direcionar recursos de precatórios e do Fundeb para o programa Renda Cidadã.

PUBLICIDADE

E não poderia ser diferente, pois para viabilizar o programa, o governo propôs simplesmente furar o teto de gastos, dar calote e retirar dinheiro da educação para financiar programa social, o que é inconstitucional.

Furar o teto e aumentar a dívida é irresponsabilidade fiscal, retirar verba do Fundeb é inconstitucional. Nada nessa proposta é viável e aceitável, além de não anunciar uma reforma tributária.

Origem do dinheiro

O governo apresentou a proposta do renda cidadã tentando enganar as pessoas, fingindo que não está fazendo a maracutaia, mas está! maracutaia das grandes.

O Renda cidadã irá usar dinheiro reservado ao pagamento de precatórios e verba do Fundeb, recém aprovado.

Para quem não sabe, precatório é dívida do Governo reconhecida pela justiça, já com trânsito em julgado. Precatório é um dinheiro que não é mais do governo, mas do credor. A União tem de pagar. Se não o faz, cresce a sua dívida consolidada que já soma 70 bilhões, uma bola de neve sem fim.

A utilização da verba das precatórias na prática irá prejudicar e adiar o pagamento de gastos como aposentadorias e pensões de trabalhadores do setor privado, além de remuneração de servidores. Todas dívidas reconhecidas por justiça.

Para 2021 o orçamento prevê o pagamento de uma lista imensa de precatórios, boa parte de aposentadorias e benefícios assistenciais concedidos após decisão judicial. O governo pretende não pagá-los para financiar sua loucura, calote!

renda cidadã
Foto: Sérgio Lima/Poder360- 28.set.2020

No caso do Fundeb, a maracutaia é maior ainda.

Na tentativa de dizer que não irá estourar o teto orçamentário, o governo rouba a verba destinada ao Fundeb, que não conta para efeitos de teto, para sustentar seu projeto de reeleição, o Renda cidadã ou seja lá qual vai ser o próximo nome.

Para o orçamento de 2021, o governo separou a quantia de R$34,8 bilhões para o  Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), vale conferir a matéria recente.

Reação do Mercado

A reação do mercado foi imediata. A Bolsa, que operava em alta fechou em queda de 2,4%. O dólar subiu 1,5% e fechou o dia a R$ 5,6390, maior valor desde 20 de maio.

PUBLICIDADE

O governo ao propor essa sandice demonstra que não tem compromisso algum com suas dívidas e obrigações. Além de demonstrar que é muito mal administrado, espanta investidores.

O pior é ver que um governo que se vendeu liberal e super mercadológico não entende de mercado e suas reações, mas pior que isso é ver que o governo gere muito mal o Estado e aprofunda dívidas, cria abismos sociais e até agora não apresentou um plano para o país e sua soberania.

O governo é incompetente e não apresenta o mínimo de condições para apresentar uma proposta de reforma tributária justa. Paulo Guedes é limitado e só vive no mundo da CPMF, nada além disso. Mediocridade define.

Estamos vivendo de remendos, de penduricalhos e cada vez mais capengas. Caso fosse investidor, eu não investiria um centavo nesse país. Meu dinheiro não é capim.

Reações da Educação

Nas palavras do senador Flávio Arns (Podemos-PR), relator do Fundeb no Senado, a proposta do governo é um “absurdo completo, lastimável e impensável”:

— Tirar dinheiro da educação é lesa-pátria na minha opinião. São pessoas que não entendem do assunto e querem lesar o Brasil tirando dinheiro da educação. Agora, precisa de programas sociais? Qualquer país desenvolvido do mundo precisa, e nós precisamos e vamos precisar sempre. Mas isso tem que ser com recursos da assistência, da promoção.

A relatora do Fundeb na Câmara, deputada professora Dorinha (DEM-TO), não vê amparo legal na proposta do governo.

Segundo a deputada, a legislação é clara ao impedir que verbas da educação sejam direcionadas para a área de assistência social.

— Lá na década de 70, talvez até 80, era possível fazer asfalto a dois quilômetros da escola, na porta da escola, e colocar como recurso da educação. Esse tempo já passou e passou muito — disse.

PUBLICIDADE

Ela afirmou também que é “lamentável” o governo não compreender a importância da educação para o desenvolvimento da sociedade:

— Quando a educação funciona, eu estou fazendo uma enorme mudança na situação de vulnerabilidade de uma família. Acho que há uma falta de compreensão da importância da educação para esse desenvolvimento, e esse é o ponto mais lamentável

O que pensa o Jornal

O governo realmente parece um programa dos trapalhões. Bolsonaro não tem um plano, nunca teve e não escondeu isso de ninguém. É triste ver que a ignorância, o analfabetismo político e o intelecto baixo do brasileiro resultou nisso aí que chamam de governo. Lamentável.

Dias atrás, Bolsonaro disse que deve ter “algum petista infiltrado” em seu governo – insanidades típicas do falastrão. Essa é a explicação do presidente para as trapalhadas de seu governo. Patético e de uma pequeneza sem tamanho para um presidente.

Renda cidadã
As Aventuras do Didi – 08/01/2012 / Rede GLOBO

Mas na verdade, parece mesmo que nem sua equipe o quer mais no poder e diuturnamente cria propostas insanas para sabotá-lo e destituí-lo, só isso explica as diversas bizarrices apresentadas.

Essa temporada do Capitão pincel e os generais está causando um sério dano ao futuro e inviabilizando qualquer tipo de reação futura para a sociedade brasileira.

O péssimo gerenciamento do país, os constantes desmontes ambientais, sociais, trabalhistas, previdenciários e econômicos estão colocando uma pá de cal nesse país que já foi considerado potência mundial, mas hoje não passa de uma terra arrasada.

Meus pêsames.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

cinco × cinco =