O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Recuperação econômica no terceiro trimestre decepciona e PIB segue abaixo

0

Recuperação econômica e resultado do PIB no terceiro trimestre decepciona. Governo federal fala em retomada, mas economistas dizem que o crescimento foi bem abaixo do esperado.

Após os resultados do terceiro trimestre serem divulgados, crescimento de 7,7%, Brasil ainda fica abaixo do esperado. Avião vira teco-teco e mais uma vez não decola. (Avião é como Paulo Guedes gosta de se referir ao país).

Uma coisa é fato! Essa tal retomada – palavras do governo- foi impulsionada pelo auxílio emergencial e retomada natural das atividades econômicas que acompanharam o afrouxamento das medidas de isolamento social.

O resultado embora seja de crescimento de 7,7%, falar em retomada é muito boa vontade com Guedes e sua equipe. Resultado ficou abaixo do que se esperava.

O resultado do PIB camufla uma baixa eficiência no controle da pandemia no país, que atrapalha e muito as perspectivas para o crescimento do Brasil em 2021.

PUBLICIDADE

O que deverá preocupar mais ainda será o resultado do quarto semestre, pois refletirá um país sem emprego e sem auxílio emergencial.

Para os próximos trimestres, o país lida com uma série de incertezas em várias frentes. Há dúvidas sobre a capacidade de o governo avançar com a agenda de reformas, em especial na área fiscal; o mercado de trabalho enfrenta uma deterioração; a inflação voltou a subir; e ainda não um há rumo definido para a criação de um programa social.

O Brasil vai chegar ao próximo ano com vários desarranjos: na inflação, nas contas públicas, sem aumento do investimento e com o consumo andando de lado.

Ciência gera retomada, negacionismo não.

Os resultados econômicos do Terceiro trimestre provam que o Lockdown geraria além da queda no número de mortes, a retomada econômica muito mais rápida e robusta. A recuperação econômica dos países que realizaram o Lockdown foi muito melhor e mais forte do que os países que tiveram postura negacionista.

Números divulgados pela agência de estatísticas da União Europeia nesta sexta-feira (30) mostraram que a média do produto interno bruto (PIB) dos 19 membros da Zona do Euro foi 12,7% maior nos três meses até setembro do que no trimestre anterior, tendo caído 11,8% nos três meses até junho.

O crescimento durante o terceiro trimestre foi mais forte do que nos EUA. Isso refletiu amplamente o fato de que o lockdown do segundo trimestre foi mais rigoroso e duradouro na Europa, levando a uma recuperação especialmente grande depois que as restrições foram suspensas.

recuperação econômica
Foto reprodução G1 – Recuperação econômica terceiro trimestre

Os países que realizaram o Lockdown tiveram recuperação econômica muito mais forte, assim como era dito por diversos especialistas, cientistas e economistas no início da Pandemia.

A economia alemã cresceu 8,2% no terceiro trimestre, recuperando-se da pior recessão de todos os tempos causada pela pandemia de covid-19. O salto do PIB de julho a setembro foi o maior desde 1970, quando a agência começou a coletar dados, e foi mais forte do que o aumento de 7,3% previsto por economistas em uma pesquisa da Reuters.

A economia da Itália cresceu 16,1% na comparação com o trimestre anterior, mas ainda recua 4,7% em relação ao 3º trimestre de 2019. Na Espanha, o PIB cresceu 16,7%, também na comparação com o segundo trimestre, mas ainda está 8,7% abaixo do que há um ano. No segundo trimestre, a economia italiana encolheu 12,8% e a espanhola, 18,5%.

Na França, o PIB se recuperou no terceiro trimestre após sofrer sua maior contração histórica no trimestre anterior. Dados divulgados nesta sexta-feira (30) pelo instituto de estatísticas francês, mostram que o PIB do país cresceu 18,2% no terceiro trimestre ante os três meses anteriores.

No Brasil, o Governo Federal negou o que a ciência dizia e preferiu empurrar com a barriga a pandemia, gerando mortes desnecessárias e aprofundando os abismos sociais.

Hoje, a economia que era justificativa de Bolsonaro para colocar seu negacionismo acima de tudo se mostra pífia, com níveis abaixo do esperado e quase que inexistente, se comparada aos países sérios que levaram as medidas sanitárias ao pé da letra e fizeram o que a ciência dizia. A restrição social bem feita recuperou melhor as economias. Nada de novo.

Fatos colocam Bolsonaro numa boca de sinuca. O presidente é incompetente, inconsequente e genocida. A economia do país sofre e a previsão não anima, pelo contrário.

PUBLICIDADE

Aquele papo de que economia e vida andam juntos é fajuto! Conversa de que economia não poderia parar era sem fundamento algum e nós alertamos sobre a mentira. Bolsonaro dá mais um tiro no pé; Jair negou a ciência, e a tragédia está aí.

Será que vamos sobreviver a mais dois anos desse desastre? Salve-se quem puder!

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dois × cinco =