O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Reabertura em São Paulo

1

Hoje, dia 1 de Junho, São Paulo inicia o processo de reabertura, a “retomada consciente”, conforme havia informado o governador de São Paulo junto ao centro de contingência e a secretária de saúde no estado.

A reabertura será feita conforme analise dos dados atualizados e captados pelo sistema de acompanhamento do número de casos, leitos disponíveis e taxa de mortes. A flexibilização necessitará de um plano apresentado pelos setores que estão incluídos nas fases de reabertura. Confira como funcionará.

Desde o dia em que foi anunciado o cronograma, os números da doença em São Paulo só aumentaram, inclusive bateram recordes. Os três maiores recordes de número de novos casos por dia da pandemia, desde março, foram atingidos, nesta quinta (6.382), sexta (5.691) e sábado.

Reabertura em São Paulo
SÃO PAULO – Pessoas são vistas na Linha 3-Vermelha do metrô de São Paulo (SP), neste sábado (16). Imagem retirada do jornal O Eco.

 A Prefeitura de São Paulo determinou que o esquema de quarentena para evitar a disseminação da Covid-19 continue até o dia 15 de junho. Pelo cronograma anunciado pelo Governador, hoje a capital já poderia ter a reabertura de alguns estabelecimentos com restrições.

PUBLICIDADE

Por enquanto, a capital paulista não está inclusa neste plano. A cidade só atende dois dos seis critérios recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para iniciar um processo de relaxamento do distanciamento social.

Os dois requisitos já cumpridos pela capital paulista são: ter capacidade de detectar e tratar novos casos, sobretudo os graves, e adotar medidas de prevenção em locais de trabalho. Essas medidas incluem medidas de distanciamento social, orientações de higiene e de etiqueta respiratória, e, quando possível, monitoramento da temperatura. Já os outros critérios que ainda não são atendidos para iniciar o processo, são: o controle sobre a transmissão da doença, a redução do risco de novos surtos, controle sobre o surgimento de casos importados, e por fim o mais difícil de todos, conscientização da população: no novo cenário, a população deve estar consciente de que todo caso, grave ou não, deve resultar em isolamento do paciente. A taxa de isolamento social no Estado ficou em 47%, índice mais baixo do que o aferido na sexta-feira anterior, 22.

Imagem retirada do site Brasil de Fato. 📷 Nelson Almeida/AFP

Enquanto a Pandemia não dá sinais de queda, prefeitos do interior e do litoral paulista têm reaberto setores econômicos sem respeitar o plano de flexibilização definido pelo governo estadual. Dentre os prefeitos que desrespeitaram os critérios estão o prefeito de Marília, Daniel Alonso (PSDB) que anunciou na sexta (29), a reabertura de atividades econômicas previstas só na fase 4 (verde) – a cidade está na 2 (laranja). 

A prefeitura de São Carlos foi outra que desrespeitou o protocolo e reabriu o comércio em sistema de rodízio durante a semana, contrariando o plano do Estado que previa a retomada gradual a partir do dia 1ºde Junho, hoje.

Também desrespeitando o cronograma, a Câmara de São Vicente, no litoral, aprovou projeto de lei do executivo municipal flexibilizando regras para o comércio. O prefeito Pedro Gouveia (MDB) quer publicar as regras, para que vigorem a partir de hoje. Porém, toda a Baixada Santista, com cerca de 7 mil casos e 400 mortes, tem restrição máxima.

Muitos especialistas dizem que é precipitado o plano e muito cedo ainda para se iniciar um processo complexo deste, em meio ao aumento dos números da Covid-19, tanto no estado como no país. Outros estados também estão iniciando a reabertura e infelizmente os resultados serão vistos em pouco tempo. Essas decisões precipitadas, muitas motivadas por pressão empresarial e política, causarão ainda mais aumentos nos números da doença, de ocupação hospitalar e mortes.

Não aprendemos nunca. Diversos países tentaram essas medidas de maneira precipitada e atrapalhada. O resultado: precisaram voltar atrás.

O Jornal Analítico

PUBLICIDADE

você pode gostar também
1 comentário
  1. […] de vinho expandir seus negócios e abastecer diversos restaurantes, pizzarias, cantinas, padarias e comércios da região metropolitana de São Paulo e do litoral norte paulista. Em São Paulo por exemplo, fornecem suas linhas de vinhos para […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

sete + um =