O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Poupança, Bitcoin, Dólar. Investimentos para evitar em 2022

0

Poupança, Bitcoin e dólar. Saiba quais são os investimentos para evitar em 2022. Renda fixa passa a ser mais atraente e cenário econômico pede cautela.

Com um cenário instável no horizonte, o investidor pode enfrentar ainda mais intempéries em 2022 com investimentos voláteis. Poupança, Bitcoin e dólar são riscos.

Além das opções prejudicadas pelo cenário macroeconômico (rendas variáveis) há ainda investimentos que poderiam ser interessantes, mas que podem transformar lucro em prejuízo a depender da maneira com que são operados.

Saiba quais são os sete investimentos que requerem cuidado em 2022, e os movimentos que devem ser evitados para evitar perda de dinheiro.

  • Bitcoin

PUBLICIDADE

O bitcoin não é tradicional, tem mais riscos e chamou a atenção do investidor por sua alta rentabilidade em comparação com outros investimentos. Em 2022, criptomoedas podem já não ter tanto apelo. O bitcoin e as demais criptomoedas perderam apelo —temporariamente— diante do cenário macroeconômico atual.

Investimentos que não são tão tradicionais, como bitcoin, perdem um pouco a atratividade devido a alta na taxa de juros, pois você consegue rentabilidade alta sem correr tanto risco na renda fixa, diferentemente do começo de 2021, quando a Selic esteve a 2% e tivemos que procurar alternativas menos ortodoxas [conservadoras].

Com o cenário macroeconômica atual, as opções mais ortodoxas dão uma rentabilidade acima da inflação. Considerando inflação próxima de 5% no ano que vem, a espectativa é de que todos os investimentos conservadores poderão render acima de 10%. Nesse cenário, o alto risco não compensa.

  • Bolsa no curto prazo

A Bolsa, com seus riscos, deve ser olhada com cautela para quem quer curto prazo, especialmente em 2022.

Se o investidor tem um horizonte de curto prazo, talvez a Bolsa não seja o melhor investimento, pois poderemos ter um ano muito volátil. Vender ações em 2022 pode significar prejuízo.

  • Startups

Dentro da Bolsa, há um setor menos aconselhável para investir em 2022: o de startups.

Num cenário de taxas de juros mais elevadas, essas empresas tendem a sofrer mais. Evite investir em tecnologia, em startups, empresas que não geram caixa, porque dificilmente você vai acertar.
  • Ações americanas

Muitas das empresas de tecnologia vendidas no Brasil são americanas, adquiridas por meio de certificados (BDRs). Essas empresas também são menos aconselháveis aos investidores brasileiros para 2022.

Com o dólar e a Bolsa americana nas máximas históricas, pode haver uma correção no mercado com a retirada dos estímulos por parte do banco central americano [FED] e com a elevação da taxa de juros por lá. Esse movimento pode gerar uma migração em massa para a renda fixa

  • Tesouro Direto com retirada antecipada

A alta dos juros favorece o investimento preferido entre os adeptos da renda fixa: o Tesouro Direto. Porém, ela pode significar prejuízo se não for considerada a data de vencimento dos contratos.

Se o investidor colocar dinheiro em um título de tesouro direto e precisar sacar antes da data de vencimento do título pode ser um mal negocio, porque estará sujeito à marcação do mercado e poderá perder dinheiro.

  • Poupança

Um investimento para esquecer em 2022 —e muito provavelmente depois disso também— é a poupança.

Produtos financeiros que rendam menos que 100% da Selic não valem a pena. A poupança seguirá como a pior opção em renda fixa. A sugestão é que o brasileiro deixe sua reserva em Fundos DI com taxa zero ou em CDBs com liquidez diária.
  • Dólar (para iniciantes)

O dólar também pode ser um problema, principalmente para o investidor pouco experiente. Com a moeda americana em um patamar já bem elevado, apostar nesse investimento pode significar um risco além do desejável para esse público.

Correções podem ocorrer no mercado internacional e comprar dólar no patamar de hoje, pode ser um risco.

A compra de dólar é recomendada somente para proteção de dívidas ou compromissos futuros, ou como diversificação para investidores mais agressivos ou sofisticados.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dois × 2 =