O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Pix, o novo meio de pagamentos instantâneos

0

Pix é o novo meio de pagamentos instantâneos que o Banco Central lançou nesta segunda (5). o Pix possibilitará fazer transferências e pagamentos de forma rápida, sem esperar dias para que o pagamento seja concluído. A promessa é de que as transações sejam completadas em até dez segundos.

Pix, trata-se de um novo meio de pagamentos lançado pelo Banco Central do Brasil com o intuito de baratear o custo das operações de pagamentos e transferências bancárias.

Este é um novo meio de pagamentos que facilitará a transferência de valores entre pessoas, o pagamento de contas e até recolhimento de impostos e taxas de serviços, entre outras possibilidades.

Além de poder transferir dinheiro para outras pessoas, será possível também fazer pagamentos a estabelecimentos usando o Pix, por exemplo. 

A grande diferença é a rapidez e a disponibilidade deste meio de pagamento: enquanto hoje existem restrições de dias, horários e quantias para enviar quantias através de TED e DOC e realizar pagamentos de contas, o Pix permitirá que elas sejam realizadas a qualquer dia e horário.

PUBLICIDADE

Outra vantagem é que com o Pix, as transações bancárias serão barateadas. Hoje existem instituições que cobram até R$20,00 para realizar um TED, por exemplo. Com a implementação do sistema Pix, essas transações para usuários pessoa física, serão totalmente gratuitas. Para as instituições financeiras que oferecem o Pix, o custo é de R$ 0,01 a cada 10 transações.

Como funciona hoje, sem o pix?

Hoje, quem precisa realizar transações bancárias tem algumas opções e possibilidades, são elas:

  • TED (Transferência Eletrônica Disponível): o dinheiro enviado a outra instituição será creditado na conta de destino até as 17 horas daquele mesmo dia; não existe valor mínimo a ser transferido e valores superiores a R$ 5 mil podem ser enviados; 
  • DOC (Documento de Ordem de Crédito): o dinheiro cai na conta de destino no dia seguinte, mas pode levar mais de um dia útil caso a transferência seja feita apos as 22h; além disso, o valor máximo que pode ser transferido por DOC é de R$ 4.999,99.
  • TED e DOC funcionam somente em dias úteis. Transferências feitas em finais de semana ou feriados nacionais, portanto, são completadas somente no dia útil seguinte, podendo levar dias para ser finalizada.
  • Em relação à pagamentos, eles podem ser feitos por boletos ou, presencialmente, usando o cartão de débito. No caso do boleto, também existem restrições de dias e de usos para fazer o pagamento. Além de existe um custo para quem emite um boleto bancário. 

O que muda com o pix?

Com o anúncio do Banco Central nesta segunda (05), mais de 600 instituições estão aptas a fazer o cadastro.

O Pix funcionará 24 horas por dia, 7 dias da semana, em todos os dias do ano. Além disso, as transações serão realizadas em segundos, praticamente em tempo real.

Pix
 Foto: Editoria de Arte / G1

As transações acontecerão de maneira simples: o dinheiro sai de uma conta e vai diretamente para a conta de quem receberá os valores. O Pix funcionará para transferências entre bancos distintos como são hoje as transferências entre contas do mesmo banco, de forma instantânea, a qualquer momento e de forma gratuita.

A “chave Pix” funcionará como a identificação do usuário dentro do sistema de pagamentos e transferências instantâneas. Hoje, para realizar um TED, por exemplo, são exigidos dados como agência, conta, CPF e nome do beneficiário, certo?

O Pix exigirá apenas uma das seguintes informações: CPF ou CNPJ, e-mail, número de celular ou chave aleatória alfanumérica.

Essas transações, segundo o BC, poderão ser feitas:

  • Entre pessoas;
  • Entre pessoas e estabelecimentos comerciais;
  • Entre estabelecimentos;
  • Para entes governamentais, no caso de impostos e taxas.

Para usar o Pix, será necessário que tanto o pagador, quanto o recebedor tenham uma conta em banco, instituição de pagamento ou fintech. Não necessariamente essa conta precisa ser corrente.

A utilização do novo meio de pagamento instantâneo será obrigatoriamente gratuito para pessoas físicas, mas empresas poderão ser cobradas.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

cinco × três =