O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Pearl Jam: álbum “Ten” completa 31 anos

0

Em 1991, Pearl Jam lançava seu primeiro e arrasador álbum, “Ten”.

Há exatos 31 anos, em 27 de agosto de 1991, o Pearl Jam iniciava sua jornada no mercado de discos ao lançar “Ten”, o disco de estreia da banda, que se tornaria um dos materiais alternativos mais vendidos dos anos 1990.

O icônico álbum foi gravado no London Bridge Studio, em Seattle, cinco meses meses antes de ser disponibilizado no mercado. 

Ten, não fez sucesso logo de cara, chegou de forma tímida, sem grandes alardes. No entanto, na segunda metade de 1992 se consolidou como o trabalho que melhor representava o movimento rock chamado Grunge, que começava a dar seus primeiros passos.

O álbum conquistou disco de ouro na segunda metade de 1992, ultrapassando as vendas do poderosíssimo Nevermind, do Nirvana. Ten, teve mais de 13 milhões de cópias comercializadas somente nos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

A composição do álbum

Muitas das faixas de Ten nasceram de composições instrumentais feitas pelo baixista Jeff Ament e o guitarrista Stone Gossard. Eddie Vedder acrescentou letras reflexivas, que explorou temas pessoais e sociais em suas composições. Depressão, suicídio, assassinato e problemas relacionados a pessoas em situação de rua foram alguns dos assuntos evidenciados nos versos entoados por Eddie Vedder.

O álbum produziu três singles: “Alive”, “Even Flow” e “Jeremy”. No entanto, canções como “Black”, “Oceans” e “Why Go”, também ganharam bastante destaque nas rádios, até que o conteúdo completo do disco se tornasse um clássico do rock e um dos capítulos iniciais da história do grunge.

Algo que ajudou muito na popularização do disco de estreia do Pearl Jam foi a intensidade de suas performances ao vivo, principalmente quando o grupo partiu para mostrar seu trabalho em grandes festivais, culminando em concertos antológicos. A energia no palco apresentada pela banda começou a formar uma legião de seguidores do movimento grunge, que passava a contar com admiradores por todos os cantos do planeta.

O sucesso e o boicote

Um sucesso que, aparentemente, foi renegado e boicotado pela própria banda, em prol de sua estabilidade e saúde mental.

A fama, curiosamente, não atraiu aquele conjunto de músicos da relativamente pacata Seattle. Eddie Vedder, em especial, sentiu-se tão pressionado com a perseguição midiática causada pela popularidade da banda que sugeriu aos colegas que, no auge do estrelato, reduzissem o ritmo de entrevistas e produção de videoclipes.

Por incrível que pareça, lutar contra a superexposição foi o que garantiu que o grupo continuasse na ativa até os dias de hoje.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

9 + dezessete =