O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Pazuello escolhe veterinário para dirigir programa de vacinas

0

O general Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde, decidiu fazer uma troca em sua pasta: o alvo foi Marcelo Wada, diretor do programa de imunização e doenças transmissíveis.

Eduardo Pazuello já vem criando polêmicas com a política sanitária brasileira ao levar para a pasta mais de 20 militares, quase todos sem experiência na área.

Até aí nenhuma novidade nesse governo, certo? Tentativas de intervenção política, descaracterização e trocas no Ministério da Saúde em meio à pandemia que o Brasil custa enfrentar…

Mas essa troca parece piada pronta. Conforme o decreto publicado no Diário Oficial da União, foi nomeado para o cargo de diretor do programa de imunização e doenças transmissíveis o VETERINÁRIO Laurício Monteiro Cruz.

PUBLICIDADE

Laurício veterinário no Ministério da Saúde
O veterinário Laurício Monteiro Cruz é o novo diretor do Programa de imuização e doenças transmissíveis do Ministério da Saúde – foto reprodução

A nomeação, claro, provocou polêmica entre os profissionais da área, que questionam nos bastidores a falta de experiência de Cruz para coordenar o Programa de Imunização, especialmente em meio à pandemia.

Agora o veterinário Laurício será o responsável por coordenar o processo de vacinação contra a Covid-19, no país. Sabemos que há pelo menos quatro vacinas sendo testadas no Brasil atualmente:

  • Da Universidade de Oxford, no Reino Unido;
  • Da empresa Sinovac Research & Development Co. Ltd. em parceria com o Instituto Butantan (conhecida também como Coronavac);
  • Da BioNTech e Wyeth/Pfizer;
  • E da Janssen, farmacêutica da Johnson & Johnson.

O novo diretor é veterinário formado pelo Centro Universitário de Desenvolvimento do Centro Oeste (UNIDESC) em Goiás (2002) e tem mestrado em epidemiologia, prevenção e controle de doenças nos animais pela Universidade de Brasília (UnB).

Talvez o Governo Bolsonaro não tenha entendido muito bem o termo usado “imunidade de rebanho” ou simplesmente leva a sério o apelido carinhoso de seus apoiadores mais ferrenhos.

Continuamos na luta.

Navegue pelos nossos editoriais opinativos.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

16 + 20 =