O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Pazuello escolhe veterinário para dirigir programa de vacinas

0

O general Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde, decidiu fazer uma troca em sua pasta: o alvo foi Marcelo Wada, diretor do programa de imunização e doenças transmissíveis.

Eduardo Pazuello já vem criando polêmicas com a política sanitária brasileira ao levar para a pasta mais de 20 militares, quase todos sem experiência na área.

Até aí nenhuma novidade nesse governo, certo? Tentativas de intervenção política, descaracterização e trocas no Ministério da Saúde em meio à pandemia que o Brasil custa enfrentar…

Mas essa troca parece piada pronta. Conforme o decreto publicado no Diário Oficial da União, foi nomeado para o cargo de diretor do programa de imunização e doenças transmissíveis o VETERINÁRIO Laurício Monteiro Cruz.

PUBLICIDADE

Laurício veterinário no Ministério da Saúde
O veterinário Laurício Monteiro Cruz é o novo diretor do Programa de imuização e doenças transmissíveis do Ministério da Saúde – foto reprodução

A nomeação, claro, provocou polêmica entre os profissionais da área, que questionam nos bastidores a falta de experiência de Cruz para coordenar o Programa de Imunização, especialmente em meio à pandemia.

Agora o veterinário Laurício será o responsável por coordenar o processo de vacinação contra a Covid-19, no país. Sabemos que há pelo menos quatro vacinas sendo testadas no Brasil atualmente:

  • Da Universidade de Oxford, no Reino Unido;
  • Da empresa Sinovac Research & Development Co. Ltd. em parceria com o Instituto Butantan (conhecida também como Coronavac);
  • Da BioNTech e Wyeth/Pfizer;
  • E da Janssen, farmacêutica da Johnson & Johnson.

O novo diretor é veterinário formado pelo Centro Universitário de Desenvolvimento do Centro Oeste (UNIDESC) em Goiás (2002) e tem mestrado em epidemiologia, prevenção e controle de doenças nos animais pela Universidade de Brasília (UnB).

Talvez o Governo Bolsonaro não tenha entendido muito bem o termo usado “imunidade de rebanho” ou simplesmente leva a sério o apelido carinhoso de seus apoiadores mais ferrenhos.

Continuamos na luta.

Navegue pelos nossos editoriais opinativos.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

3 × um =