O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

O Brasil voltou

0

O Brasil voltou! Esta foi a canção entoada durante discurso do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva na COP27, no Egito.

Durante discurso na COP27 nesta quarta (16) e ao som de O Brasil voltou, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou ao mundo que o Brasil voltará a ter papel fundamental no combate a crise climática.

O discurso do presidente eleito repercutiu na imprensa internacional, com diversos veículos cobrindo as falas e comentando sobre a participação do petista na COP27 (conferência do clima das Nações unidas), realizada no Egito.

No geral, jornalistas estrangeiros elogiaram as declarações do futuro presidente, a exemplo do New York Times, que classificou Lula como “exuberante” e que ele teria “eletrizado o encontro”.

Este foi o primeiro discurso internacional de Lula após a vitória nas eleições gerais do final de outubro. Lula foi convidado para participar da COP27 antes mesmo de assumir o cargo.

PUBLICIDADE

Ele usou a oportunidade para pregar união global em torno das questões climáticas e cobrar os “países ricos” por suas promessas de contribuição na causa.

Lula afirmou que o mundo tem “pressa” para que o Brasil volte a participar de negociações sobre o futuro do planeta e referendou algumas promessas de campanha, como desmatamento zero na Amazônia e estímulo ao desenvolvimento sustentável no Brasil, em comunhão com o agronegócio.

Nesta quinta-feira (17), o presidente eleito irá se reunir com os representantes dos governos da Noruega e Alemanha, os principais financiadores do Fundo da Amazônia. O objetivo do encontro é dar sinais concretos aos dois países europeus de que o Brasil quer o restabelecimento urgente do mecanismo criado para justamente colaborar no combate ao desmatamento no país.

Lula, porém, deixa claro que qualquer iniciativa estrangeira não poderá significar qualquer ameaça à soberania e que caberá ao Brasil pilotar o mecanismo.

Lula quer recolocar o país como liderança no combate da crise climática atraindo investimentos internacionais e criando métodos de colaboração para zerar desmatamento e reduzir emissão de gases causadores do efeito estufa.

Em discurso, afirmou que pretende trazer a COP30, que ocorrerá em 2025, para o Brasil. Mais especificamente para o Amazonas, estado brasileiro localizado no coração da Amazônia.

Protagonismo e papel de liderança

A lacuna deixada pelo “atual ex-presidente” ainda em atividade, Jair Bolsonaro, fez com que Lula se colocasse como protagonista antes mesmo de seu governo iniciar.

Jair Bolsonaro aliás, que não dá as caras há algum tempo desde que perdeu as eleições é mal visto internacionalmente. Não que sua ausência faça falta, de maneira alguma, acredito até que faça bem ao planeta, mas pega mal ter um presidente que não representa os interesses nacionais.

Onde há vácuo de poder é natural que alguém lidere e Lula tem feito isso muito bem recolocando o Brasil no radar do mundo.

O futuro presidente deixou claro que seu governo priorizará o combate a crise climática e ao desmatamento. De maneira enfática, demonstra também que dará ênfase ao desenvolvimento sustentável e ao combate a fome.

Fome, que infelizmente voltou ao mapa do Brasil após ter sido erradicada por ele, Lula.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

16 + 5 =