O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Ministério da Saúde tem 9,8 milhões de testes para Covid parados

0

Ministério da Saúde tem 9,8 milhões de testes para Covid parados por falta de insumos. Governo diz ter dificuldades de encontrar produto.

O Brasil vive um caos na saúde pública, o Governo enfrenta duras críticas de entidades nacionais e internacionais devido a gestão da crise do novo coronavírus e parece que não consegue administrar seus próprios recursos.

Quase seis meses após decretar estado de emergência devido a Pandemia do novo coronavírus, o Ministério da saúde tem cerca de 10 milhões de testes encalhados.

O número de testes sem destino é quase o dobro dos cerca dos 5 milhões de unidades entregues até agora para os Estados e municípios. O Governo não consegue ter uma logística efetiva e faz estoque de testes num momento em que estamos com mais de 92 mil mortos no país e não temos sinais de que os números vão diminuir tão cedo.

Os 9,85 milhões de exames que estão encalhados são do tipo RT-PCR, considerado “padrão-ouro” para diagnóstico da Covid-19. O Governo alega que o principal motivo para os testes estarem parados é a falta de insumos usados em laboratório para realizar análise dos testes.

PUBLICIDADE

Ministério da Saúde teste Covid
Foto: Divulgação/SRS Uberaba

O governo federal comprou os lotes de exames RT-PCR sem ter garantias de que haveriam os insumos que são de suma importância para a realização dos testes. Segundo a pasta, houve dificuldade na compra dos insumos no mercado internacional, mas que está providenciando a entrega dos insumos conforme eles chegam ao país.

No início da Pandemia não existiam testes porque eram escassos no mercado, a demanda era muito maior do que a produção mundial. A Fiocruz e laboratórios privados passaram a produzir os testes, visto a necessidade.

Depois que a Fiocruz passou a produzir os testes vieram as faltas de tubos, materiais de extração, e de magnificação.Hoje a falta é de logística, pois os testes estão estocados sem uso por falta de planejamento logístico do ministério da saúde.

Vale lembrar que o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazzuelo, é general do exercito justamente na área de logística. Dentro de uma coerência, a logística não poderia ser um problema, visto suas diversas indicações de militares dentro da pasta. É algo inaceitável.

“Agora está faltando só competência. Falta só disposição do Estado para distribuir, coletar e processar”

Gonzalo Vecina – ex- presidente da Anvisa e colunista do Estadão

O Brasil realizou apenas 2,3 milhões de testes do tipo RT-PCR para Covid, sendo 1,4 milhão na rede pública de saúde e 943 mil na rede privada. No mesmo período, o país fez outros 2,9 milhões de testes rápidos, que não são indicados para o diagnóstico da doença.

O Estadão teve acesso a documentos da pasta que revelam a distribuição de kits incompletos revelados pelos seguintes dados: 1,6 milhões de cotonetes (swab) e 873,56 mil tubos de laboratórios foram enviados até a ultima semana de julho. Número muito abaixo dos 5 milhões de testes distribuídos.

Que no Brasil pouco se testa não é mais segredo para ninguém, mas os técnicos do ministério não estão nem perto de testar conforme suas previsões. Era previsto pela pasta que fossem realizados cerca de 110,5 mil testes por dia no país, porém a média diária de Julho foi de apenas 15,5 mil exames realizados, segundo dados do ultimo boletim epidemiológico do ministério da saúde. Número insuficiente e muito abaixo de outros países.

A Subnotificação é gritante

A falta de testagem reflete no vergonhoso número de casos não notificados. Até o dia 18 de Julho, o Brasil registrou 441.194 internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), sendo que apenas 213.280 tiveram um diagnóstico para Covid-19. Há portanto, mais de 80 mil internações em investigação e outras 141,6 mil classificadas como síndrome “não especificada”.

Apenas em Junho, o número de óbitos em decorrência de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) no Brasil cresceu 20 vezes em relação ao ano passado, de acordo com as declarações de óbito registradas nos cartórios do país. Com base nesses dados, especialistas avaliam que esse aumento de 1.904% tem relação direta com a covid-19.

Os dados desta sexta-feira (31), registram contágios acima dos 50 mil, são exatas 52.383 novas notificações do novo coronavírus, e mais 1.212 óbitos causados pela Covid-19. Agora o total de notificados no país é de 2.662.485 e ainda há outros 725.959 casos em acompanhamento. O Brasil já soma o triste número de 92.475 óbitos por coronavírus.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dois × um =