O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Em São Paulo, protestos divergentes devem ocorrer em dias distintos.

0

O Governador João Dória, em entrevista coletiva nesta segunda-feira (01), no Palácio dos Bandeirantes, determinou que os protestos que tem ideologias distintas devam ocorrer em dias distintos.

Determinação é para evitar confrontos durante as manifestações, garantir o direito de manifestação e preservar a ordem pública. “O estado de São Paulo garantiu e vai garantir o direito de manifestação. Todos têm direito de se manifestar, mas ninguém tem o direito de agredir”, declarou Dória.

“Vamos orientar para que uma manifestação seja no sábado, outra no domingo. Se for na Paulista, que seja acompanhado pela Segurança Pública. O que não ocorrerá mais na Paulista, serão manifestações de duas partes, ao mesmo tempo, no mesmo horário, no mesmo dia. Isso não será permitido pela Secretaria de Segurança Pública”, completou o governador.

Tal determinação ocorre após atos contra e pró governo se encontrarem em plena Avenida Paulista, ontem, Domingo (31). De um lado, manifestantes contra Bolsonaro se reuniram organizados por torcidas organizadas de times de futebol do estado – Palmeiras, Corinthians, São Paulo e Santos. Ato ocorreu em alusão ao movimento Democracia Corinthiana da década de 70 que lutava pela democracia. Do outro lado, militantes apoiadores do presidente Jair Bolsonaro utilizavam símbolos neonazistas e ideológicos de ultra direita, além de bandeiras e camisas da seleção brasileira. Os protestos seguiam pacíficos, mas houve embate quando os dois grupos se encontraram. 

Em São Paulo, protestos divergentes devem ocorrer em dias distintos.
Manifestantes membros de torcidas organizadas rivais em ato pró democracia na avenida Paulista (31) 📷 Revista Oeste/ reprodução Twiiter

PUBLICIDADE

A Polícia Militar estava presente e interviu para evitar o confronto. A Tropa de Choque afastou os manifestantes que iniciaram a confusão atirando pedras, rojão e lixos.

Para o secretário de Segurança Pública, general Campos, a Polícia Militar “evitou um conflito que poderia ter consequências indesejáveis”. “Tivemos, por incrível que pareça, dois feridos com ferimentos leves. Um que foi assaltado por um grupo de skinhead, fotógrafo que foi levado à Santa Casa. E um outro cidadão que teve um ferimento no pé”, disse.

Grupos Neonazistas

Questionado sobre a atitude do governo em relação à presença de grupos e manifestação com ideologia nazista e fascista, o governador Doria afirmou que a PM irá atuar contra qualquer manifestação que caracterize discriminação racial. “Manifestações que estabeleçam discriminação racial são proibidas pela Constituição Brasileira. Se houver qualquer manifestação explícita, com sinais que indiquem discriminação à comunidade judaica, por exemplo, a ação da PM será feita. Porque ai não há manifestação com direito à liberdade e sim uma manifestação proibida pela Constituição.”

Apoiadores do governo Bolsonaro exibem bandeira preta e vermelha com símbolo que também é usado por grupo de extrema direita ucraniano durante manifestação na Avenida Paulista, neste domingo (31) — 📷: Ettore Chierguini/Estadão Conteúdo

Doria afirmou que o fato de existir uma referência identificando um grupo neonazista é um “ponto de gravidade”. “Não houve ali, naquele momento, nenhuma ofensa à comunidade judaica ou manifestação que pudesse explicitar, apenas a identificação, o que pessoalmente lamento muito a existência de qualquer grupo neonazista no Brasil”, acrescentou.

O Jornal Analítico

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

9 − 1 =