O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Desmatamento no Brasil: investidores estrangeiros pressionam Governo.

0

Com agravamento do desmatamento no Brasil, Governo e embaixadas brasileiras em oito países receberam uma carta aberta de um grupo de investidores estrangeiros que gere US$ 3,75 trilhões (cerca de R$ 20 trilhões) em ativos se manifestando sobre o aumento do desmatamento no Brasil, sobretudo na Amazônia.

Com o crescente desmatamento no Brasil – o desmatamento da floresta amazônica aumentou 171% em abril deste ano com relação ao mesmo período de 2019 – investidores estrangeiros pressionaram o governo ao mandarem um recado através de carta aberta enviada à oito embaixadas brasileiras, seis delas na Europa, nos Estados Unidos e Japão. Na carta, investidores estrangeiros criticam o Governo brasileiro pelo desmantelamento de políticas ambientais e de direitos humanos e avisam que podem retirar seus investimentos do país, caso o desmatamento não retroceda e a postura do presidente não mude.

desmatamento no Brasil
Desmatamento no Brasil – Jornal da UFU

O Projeto de Lei da Grilagem.

PUBLICIDADE

O projeto de Lei (PL) 2.633/20, também conhecida como PL da Grilagem, vem causado grande desconforto e descontentamento em diversos setores da sociedade: políticos, ambientalistas e organizações socioambientais, inclusive investidores estrangeiros. Cerca de 40 empresas, cooperativas, fundos de pensão e companhias de investidores estrangeiros assinaram uma carta aberta aos parlamentares e afirmaram que a continuidade dessa política aplicada no atual Governo levaria à retirada dos investimentos do país e impossibilitaria a continuidade de negócios.

O conteúdo da carta defende que o Projeto de Lei 2.633/20 representa uma possível legalidade à grilagem e aprofunda a deterioração fundiária e ambiental em grande áreas da União, com serias consequências sociais para o país. O Projeto de Lei, apresentado em 14 de Maio pelo deputado Zé Silva (Solidariedade -MG) está aguardando votação na câmara dos Deputados.

Veja o conteúdo da carta com exclusividade:

19 May 2020

An open letter on the protection of the Amazon

To the Deputies and Senators of the National Congress of Brazil,

The Amazon is one of the most vital landscapes on our planet: it not only contains 30% of the world’s rainforest but it is also home to 10% of all known species. More crucially, the Amazon plays a critical role in regulating global climate, the water cycle as well as its role in system resilience which is fundamental for planetary health. We also recognise that it is also a crucial economic resource for Brazil, for both now and in the future.

Last year, widespread fires and destruction in the Amazon made news across the globe. As global businesses and investors with interests in Brazil, we have welcomed and wish to see a continuation of Brazil’s leadership on forest law and agreements like the Amazon Soy Moratorium. We know that we must ensure that protecting the Amazon is economically more attractive than destroying it, reflecting its true value to the world – and we want to work with all Brazilian stakeholders on this. What remains essential is that further destruction is halted.

We are deeply concerned about the Provisional Measure 910 (now changed to PL 2633/2020), that has been submitted to the Brazilian congress for a vote, and which would legalise the private occupation of public lands, mostly concentrated in the Amazon. Should the measure pass, it would encourage further land grabbing and widespread deforestation which would jeopardise the survival of the Amazon and meeting the targets of the Paris Climate Change Agreement and undermine the rights of indigenous and traditional communities. We believe that it would also put at risk the ability of organisations such as ours to continue sourcing from Brazil in the future.

We want to continue to source from and invest in Brazil and help ensure that protecting the Amazon can be economically productive for all. We urge the Brazilian government to reconsider its stance and hope to continue working with partners in Brazil to demonstrate that economic development and environmental protection are not mutually exclusive.

Signatories: AB Agri Ltd Agricultural Industries Confederation (AIC) Ahold Delhaize ALDI SOUTH Group AP7 (Sjunde AP-fonden) Asda Stores Ltd. British Retail Consortium Burger King UK Congregation of Sisters of St. Agnes Co-op Switzerland The Co-operative Group
Dominican Sisters ~ Grand Rapids Donau Soja EdenTree Investment Management Hilton Food Group Iceland Foods Jerónimo Martins SGPS S.A. Joseph Rowntree Charitable Trust Kerry Group KLP Kapitalforvaltning AS Lidl Great Britain Marks & Spencer METRO AG Migros Moy Park Nando’s National Pig Association NorgesGruppen ASA Ocado Pax World Funds Polden-Puckham Charitable Foundation ProTerra Foundation Retail Soy Group Rewe Group Robeco J Sainsbury Plc Skandia Storebrand Asset Management Swedbank Robur Fonder AB Tesco Stores Plc Tulip Ltd Waitrose & Partners Wm Morrison Supermarkets Plc


Hoje, as políticas que as empresas adotam são voltadas para a sustentabilidade e a necessidade de garantias de preservação ambiental e social.

O Brasil, internacionalmente, vem ganhando visibilidade negativa por suas recentes políticas ambientais e sociais que não priorizam a preservação e facilitam o desmatamento.

Essas empresas e conglomerados são os principais investidores do mercado agropecuário e compradores de matéria prima, e caso não enxerguem uma mudança nas políticas brasileiras poderão optar por comprar produtos e matérias primas de outros países e migrar seus investimentos para outros mercados.

O que pensa o Jornal Analítico

As políticas ambientais do Governo sobre o desmatamento na Amazônia se apequenaram exclusivamente à guerra contra ONGs e ambientalistas. O presidente e seus ministros fazem disso uma guerra ideológica e fictícia, uma perseguição, quase que uma cruzada. Sem pé nem cabeça. Quando as críticas vem de organizações internacionais, o erro também está lá fora e nunca aqui. Preferem adotar o jargão do “quem é de fora não dá pitaco”. Para o Governo o erro nunca está na velha política agropecuária por ele promovida, mas sempre nos outros.

Os efeitos do desmatamento ficarão por décadas, já o governo é passageiro, e isso o presidente custa a entender. Também não entende que o mercado internacional mudou e que nós precisamos acompanhar as mudanças, caso contrário ficaremos para trás, como já vem acontecendo.

O Governo aposta em políticas velhas e retrogradas, rechaçadas pelos investidores internacionais que não querem suas marcas relacionadas ao desmatamento e à medidas ambientais ultrapassadas.

Será que com grandes investidores pressionando e ameaçando retirar investimentos do país, caso a política ambiental não mude, o erro estará no investidor também, dono do capital?

Acredito que levar essa carta aberta dos investidores para o lado pessoal e ideológico, por teimosia e dificuldade cognitiva, será o mesmo que assinar um atestado de burrice.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

treze − 3 =