O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Do leite condensado ao chiclete; Gastos do governo federal em 2020 chegam a 1,8bi.

0

Do leite condensado ao chiclete; o jornal “Metrópoles” divulgou uma reportagem dos gastos do governo federal com comida em 2020, baseada em informações do portal da transparência. Alguns desses gastos geraram forte repercussão nas redes sociais, confira:

Levantamento do (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles, com base do Painel de Compras atualizado pelo Ministério da Economia, mostra que, no último ano, todos os órgãos do executivo pagaram, juntos, mais de R$ 1,8 bilhão em alimentos – um aumento de 20% em relação a 2019.

Além do tradicional arroz, feijão, carne, batata frita e salada, no “carrinho” estiveram incluídos biscoitos, sorvete, massa de pastel, leite condensado – que associado ao pão de forma é uma das comidas favoritas do presidente – , geleia de mocotó, picolé, pão de queijo, pizza, vinho, bombom, chantilly, sagu e até chiclete.

de leite condensado
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido); governo federal gastou mais de R$ 1,8 bilhão com alimentação em 2020Imagem: MARCOS CORRêA/PR

Além dos itens, a desproporcionalidade chamou a atenção, gastos são exorbitantes. Foram gastos R$ 15 milhões com leite condensado, R$ 2,2 milhões pagos em chicletes e R$ 32,7 milhões em pizza e refrigerante. Sem contar a compra de molho shoyo, molho inglês e molho de pimenta que, juntos, somam mais de R$ 14 milhões do montante pago.

PUBLICIDADE

De acordo com dados do próprio Portal da Transparência, cada lata de leite condensado custou aos cofres públicos R$ 162. No mercado brasileiro, cada unidade do alimento pode custar de R$ 3 a R$ 5, indicando imenso superfaturamento em um ano de contas apertadas em Brasília.

O total gasto em alimentos em 2020 é 20% maior que em 2019.

Segundo o levantamento, o Ministério da Defesa acumulou o maior gasto alimentar, com mais de R$ 632 milhões. O Ministério da Economia justificou ao Metrópoles o gasto da Defesa “porque se refere à alimentação das tropas das forças armadas em serviço”.

Confira a Lista completa

Representação junto ao TCU

Os altos valores das compras do Executivo entraram na mira da oposição. Parlamentares formalizaram uma representação no Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo a abertura de investigação sobre as compras do Executivo. Um documento protocolado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e os deputados federais Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES) argumenta que o aumento das despesas fere o princípio da moralidade administrativa.

“Em meio a uma grave crise econômica e sanitária, o aumento de gastos é absolutamente preocupante, tanto pelo acréscimo de despesas como pelo caráter supérfluo de muitos dos gêneros alimentícios mencionados”, diz um trecho da representação.

Representantes do PSOL, o deputado David Miranda (RJ) e as deputadas Fernanda Melchionna (RS), Sâmia Bomfim (SP) e Vivi Reis (PA) protocolaram uma ação para que o procurador-geral da República, Augusto Aras, abra investigação sobre os gastos de R$ 1,8 bilhão.

Governo gastou mais com alimentos que com Inpe e ICMBio

Algumas comparações mostram o tamanho do gasto do governo federal com alimentos. Apenas o montante pago pelo leite condensado é cinco vezes mais que tudo que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) recebeu para fazer o monitoramento por satélite de toda a Amazônia, Pantanal e demais regiões do país – R$ 3,2 milhões no mesmo período, segundo dados levantados pela consultoria Rubrica.

Nos últimos dois anos, o Inpe – principal órgão federal responsável pelas pesquisas espaciais e monitoramento -, o Ibama e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) tiveram seus orçamentos reduzidos, o que comprometeu a capacidade de combate às queimadas ilegais no país – que bateu recordes em 2020.

Repercussão das redes sociais

PUBLICIDADE

A matéria do portal Metrópoles gerou grande repercussão nas redes sociais devido à peculiaridade, digamos assim. A internet foi tomada por memes e críticas ao governo federal. O portal da transparência chegou a sair do ar na noite de terça-feira (26) e voltou apenas na manhã desta quarta.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

1 + um =