O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

CPMF não passa no Congresso, diz Rodrigo Maia

0

Proposta de nova CPMF e reforma tributária promete colocar a prova aliança do Planalto com centrão.

Conforme noticiamos aqui, durante a semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes anunciou que o projeto de reforma tributária do governo incluirá um imposto muito parecido com a antiga CPMF, porém modernizado, cobrando uma taxa sobre movimentações financeiras por meio digital.

Os rumores desse imposto parecem mais com um fantasma, e Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, já se pronunciou diversas vezes contra essa taxa. Para Maia, enquanto ele presidir a Câmara, a nova CPMF não será votada. Nossos votos são de continue assim por algum tempo.

Mas o ministro Paulo Guedes insiste com a ideia, apoiado pelo Planalto. Hamilton Mourão, vice-presidente da República, disse que agora acha que o imposto vai ser aprovado pelo Congresso e que Rodrigo Maia deverá mudar de opinião.

CPMF não passa no Congresso, diz Rodrigo Maia
´Rodrigo Maia, Bolsonaro e Paulo Guedes
Foto: Reprodução da internet

PUBLICIDADE

Temos visto ao longo dos meses, uma construção de suma importância para o Planalto, uma aliança com o centrão.

O centrão sempre foi um fator de desempate quando o assunto é votação no plenário, e uma união com esse bloco de aproximadamente 200 deputados, sem bandeira ideológica (além da do poder, claro) é fundamental para o governo Bolsonaro – que tem se mostrado mais fraco e turbulento que avião de papel em tempestade em alto mar – aprovar ou não essa reforma tributária proposta.

Bolsonaro, deputado velho de ofício, sabe da importância dessa aliança, e tem seduzido o centrão com várias ofertas de cargos e verbas públicas, ou seja, uma boa fatia do bolo em troca de apoio em futuros cabos-de-guerra.

Rodrigo Maia foi eleito presidente da Câmara com apoio do centrão e até há pouco, era tido como o comandante do grupo. Chegou a evitar, mas, ao ser reeleito como presidente do congresso, acabou se associando ao bloco.

Arthur Lira (PP), líder do maior partido do centrão, acha que o novo imposto não será uma nova CPMF. Ou seja, adotou o discurso vendido pelo ministro da Economia: é uma taxa sobre movimentações financeiras, como a CPMF, mas não é uma CPMF. Faça me rir.

O resultado dessa guerra é incerto, pois não sabemos se todos os deputados do centrão votarão a favor ou se teremos votos contra, unindo-se à oposição, fazendo pesar a balança da razão.

Em tempos de pandemia não é legítimo, quiçá ético aumentar e gerar imposto algum sobre o contribuinte, que se encontra vulnerável, sufocado e imobilizado pelo novo coronavírus e suas consequências. Mas sabemos que isso não conta muito para o governo Bolsonaro, que não tem movido um dedo em favor. Na verdade, não conta nada.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

catorze − 2 =