O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Bolsonaro mente sobre crise Hídrica

0

Bolsonaro mente sobre bandeira tarifária e sobre crise Hídrica.

Aos fiéis, Bolsonaro resolveu falar sobre a tarifa de energia e as chuvas. Como de costume o presidente da República voltou a mentir, dessa vez a respeito das bandeiras tarifárias e voltou a relativizar o problema da crise hídrica que vivemos, a pior em 91 anos.

Como um pajé, Bolsonaro disse: “Meu bom Deus nos ajudou agora com chuva. Estávamos na iminência de um colapso”

Ele mente ao dizer que estávamos. Ainda estamos! Os níveis dos reservatórios pouco se modificaram com a chuva dos últimos dias, em São Paulo nem se quer deixaram de perder nível.

Bolsonaro mente
Nível sistema Cantareira

PUBLICIDADE

Nível sistema Guarapiranga


As chuvas de agora, pouco acima das expectativas, estão muito longe de tirar o país da escassez Hídrica e energética, e os níveis ainda são alarmantes.
Não há especialista na área que descarte o risco de racionamento ou mesmo de apagões.

Operador Nacional do Sistema elétrico (ONS) reduziu a previsão de chuvas na Região Sudeste e Centro-Oeste para as próximas semanas. Com isso, os reservatórios do subsistema responsável por cerca de 70% da geração de energia do Brasil devem seguir com os piores patamares hídricos dos últimos 91 anos, segundo o operador.

O boletim mais recente do ONS, divulgado nesta sexta-feira (15), mostra uma queda de 25% na expectativa pluviométrica para o mês de outubro na região Sudeste e no Centro-Oeste, em comparação com os dados do operador divulgados na semana passada.

Ainda em seu discurso quase que pastoral, Bolsonaro seguiu: “Não podíamos transmitir pânico à sociedade. Dói a gente autorizar o ministro Bento [Albuquerque], das Minas e Energia: ‘Decreta bandeira vermelha’. Dói no coração! Sabemos das dificuldades da energia elétrica. Vou pedir para ele — pedir não, determinar — que ele volte para a bandeira normal no mês que vem”.


Outra mentira e discurso eleitoreiro barato. Hoje, vige no país a “Bandeira de Escassez Hídrica”, que é mais cara do que a vermelha, anunciada há dois meses devido o péssimo momento dos reservatórios hídricos que são responsáveis por boa parte da geração de energia elétrica no país. O valor da taxa extra é de R$ 14,20 pelo consumo de 100 kWh.

Para bancar o uso das termelétricas e a importação de energia de países vizinhos, a bandeira tarifária teve aumentos absurdos, porém necessários (em partes) para conter o consumo e diminuir o impacto da crise, já em níveis extremos e que podem gerar apagões pelo país – parte do problema foi a inércia do governo federal em administrar a já esperada crise e criar campanhas de conscientização, informando o real problema que iríamos enfrentar. O Governo simplesmente deixou chegar a esse ponto. Inerte.

Mudar a bandeira Tarifaria não decorre da vontade do presidente. Para tanto, criou-se a Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (Creg). Ela tem competência para tomar medidas excepcionais, orientando-se por estudos técnicos da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Estudos são baseados em dados técnicos e números não mentem. É pouco provável que a Câmara faça o que ele quer. Se o fizer, a crise se agrava.

O que o presidente tem a oferecer é conversa mole e promessas baseadas em mentiras.

O descolamento de Bolsonaro com a realidade é tamanho que as tarifas que hoje estão em vigencia não serão suficientes para cobrir o déficit.

Bandeira pode ser insuficiente

bandeira de “escassez hídrica” entrou em vigor em setembro, justamente para tentar cobrir o déficit na conta das bandeiras tarifárias. 

Na época, o governo e a Aneel anunciaram que a bandeira ficaria em vigor até abril de 2022 e seria suficiente para cobrir o aumento de custos para geração de energia.

Porém, especialistas e as próprias distribuidoras de energia calculam que a bandeira será insuficiente. A consultoria MegaWhat, especializada no setor elétrico, estima que o déficit na arrecadação das bandeiras tarifárias ao final do ano será de R$ 7,97 bilhões.

PUBLICIDADE

A secretária-executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Dadald, ao participar de um evento do setor elétrico na quarta–feira (13), disse que as distribuidoras de energia já avisaram o ministério que bandeira de escassez hídrica não será suficiente para cobrir os custos de geração de energia, devido ao aumento do preço dos combustíveis.

Bolsonaro mente descaradamente e demonstra que vive em um mundo totalmente oposto à realidade. O caso é psiquiátrico.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dezessete + dezesseis =