O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Bitcoin bate novo recorde e ultrapassa os U$41 mil, cerca de R$220 mil

0

Bitcoin bate novo recorde e ultrapassa os R$220 mil. Criptomoeda é uma das mais valorizadas e atrai diversos investidores. Especialistas analisam desempenho da criptomoeda e alertam por riscos.

Bitcoin bate novo recorde e nesta sexta-feira (8), a criptomoeda chegou ao valor de US$ 41.530 (R$ 221 mil em conversão direta). Nos últimos meses, a moeda tem se valorizado significativamente.  

Esse movimento de valorização significativa faz com que grandes empresas passem a acreditar e investir no bitcoin. O interesse de investidores institucionais e até do varejo ajudou a impulsionar esse aumento e fazer com que o Bitcoin batesse novo recorde.

Grandes empresas passaram a investir milhões e acreditar na criptomoeda, como é o caso da MassMutual, seguradora norte-americana que investiu US$ 100 milhões na criptomoeda. Em outro segmento, a empresa de pagamentos PayPal começou a permitir que seus usuários negociassem a bitcoin por meio de sua plataforma, facilitando o acesso ao investimento na criptomoeda e disseminando o modelo de investimento.

O interesse na criptomoeda disparou no ano passado, com os investidores vendo o bitcoin como uma proteção contra a inflação e uma alternativa à desvalorização do dólar. Por conta disso, a moeda passou por recordes significativos e há quem diga que o ano de 2020 foi o ano do bitcoin.   

PUBLICIDADE

Não por acaso, a maior corretora de criptomoedas do Brasil, o Mercado Bitcoin, sofreu instabilidade devido ao alto número de acessos e transações.

Bitcoin bate novo recorde
criptomoeda
imagem reprodução / portal criptomoeda

Previsões para a bitcoin divergem, cuidado!

A disparada no valor da bitcoin constantemente gera muita discussão entre quem acredita que a moeda já está supervalorizada e os que afirmam que há espaço para uma valorização ainda maior. 

O banco JPMorgan, um dos quatro maiores dos EUA, acredita que ainda há espaço para uma valorização da criptomoeda. Em uma nota divulgada na última terça-feira (5), a instituição faz uma previsão para o valor do bitcoin. Segundo o banco, a moeda pode bater os US$ 146 mil (mais de R$ 780 mil) a longo prazo.

Porém essa análise do banco credita a possiblidade de valorização à redução da alta volatilidade da criptomoeda, que trará mais segurança e confiança ao investidor de longo prazo, gerando aumento nos investidores do setor e nas apostas.

“Este crescimento a longo prazo baseado na equalização do valor de mercado da bitcoin com o do ouro como investimento é condicionado a uma convergência da volatilidade da bitcoin com a do ouro a longo prazo”, dizem os estrategistas do banco.

Analistas dizem que a recente valorização da bitcoin difere do fenômeno de 2017, quando a moeda chegou a valer quase US$ 20 mil, seguida de uma queda que a levou a US$ 3.122 no ano seguinte.

Já os que preferem maior segurança na hora de investir, veem a moeda como algo especulativo e sem valor intrínseco, uma bolha que irá estourar em algum momento. O último “boom” havia sido em 2017; mas desde 2020, é possível observar um crescimento acelerado. O que não mudou de lá para cá é o seu caráter volátil: a moeda digital continua sendo um investimento de alto risco.

O que são Criptomoedas?

O Bitcoin é a mais conhecida das Criptomoedas, ele funciona como a maioria delas. Criptomoedas são uma espécie de “dinheiro da internet” e conta com uma carteira virtual, além de um site específico para realizar as transações comerciais. O Bitcoin (BTC), como já sabemos é a criptomoeda mais conhecida, e por essa razão os termos criptomoeda e bitcoin se misturam. O termo bitcoin também se refere ao software utilizado para a criação e controle da moeda.

O nome bit não faz referência a byte, como muitos podem pensar, mas sim a uma rede de compartilhamento ponto a ponto (P2P), chamada de BitTorrent, em que cada usuário é anônimo e possui o mesmo valor. 

Como comprar Criptomoedas?

“Poxa, achei interessante o mercado digital das Criptomoedas e quero adquirir Bitcoins. Como eu faço?”

Independente do seu objetivo, seja para investimento, compras ou apenas por curiosidade, o usuário antes de qualquer coisa precisa criar a sua carteira virtual. Ela funciona como uma espécie de ponto virtual onde todos os bitcoins ficam armazenados, categorizando um tipo de conta bancária livre de taxas e impostos. Essa carteira só pode ser criada no site oficial da blockchain (cadeia de blocos)

PUBLICIDADE

Para que uma pessoa obtenha bitcoins, ela pode fazer uma transação comercial, recebendo a moeda virtual em troca de serviços ou produtos, como uma negociação comum.

 Outro método é por comprar diretamente bitcoins, trocando as moedas oficiais (real, dólar, euro) de acordo com a cotação de mercado – Quanto mais caro for o bitcoin, mais dinheiro você precisará desembolsar para adquiri-lo.

Esse processo poderá ser feito somente no próprio site da blockchain, o mesmo da carteira virtual, além de caixas eletrônicos criados para isso, o que não existe no Brasil.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dezesseis − 8 =