O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Auxílio emergencial? só que nem tanto….

1

Essa novela em torno do auxílio emergencial envolvendo governo federal, governos estaduais e municipais só tem um prejudicado: o pobre que precisa do auxílio e não consegue.

Vamos entender um pouco?

Vamos lá…

O auxílio emergencial criado a princípio num valor de $200 reais pelo governo federal foi questionado pelo legislativo, e órgãos civis, da sua capacidade monetária em sanar quaisquer necessidades da população.

Aprimorado pelo Congresso Nacional para o valor de $600 reais, o auxílio criou uma ferida no ego do executivo, pois, no final das contas o liberalismo defendido não abrange essa ideia do Estado dando condições mínimas para a população.

PUBLICIDADE

Visões políticas a parte, a constituição fala mais alto e nela está escrito que o Estado tem seu dever.

Após ter sido rapidamente votado pelo Congresso, foi para sanção do executivo ( presidente), Aprovado!

Os $600 reais é um valor mínimo que serve como ajuda e que deve ser para ontem. Porém, estamos falando de um país em que a pasta da cidadania, liderado por Onyx Lorenzoni, não trabalha para agilizar esse auxílio aos mais carentes e que realmente precisam desse dinheiro. Ele coloca de lado estruturas já existentes nas esferas estaduais e municipais para distribuição da verba de auxílio. E ao colocar de lado essas estruturas, gera aglomeração e cenas de humilhação á milhares de brasileiros que passam horas e chegam a dormir em filas em frente a agências da caixa de todo país.

Auxílio emergencial? só que nem tanto….
Foto retirada do portal G1, agência da caixa situada em Fortaleza.

Essas estruturas SUAS (sistema único de assistência social) e os CRAS (Centro de Referência de assistência social) já existem, conhecem e sabem lidar com a população mais carente, portanto a utilização desses órgãos seria de extrema celeridade na distribuição desses recursos. Visto que a Receita Federal e as agências da Caixa estão superlotadas e não dão o atendimento necessário devido a grande demanda.

Criar o aplicativo para pedir esse auxílio é interessante, porém, grande parte da população necessitada não tem acesso a internet, não tem afinidade com esse meio. Daí a necessidade de utilizar os CRAS e SUAS para regularizar isso.

Foto retirada do jornal A Gazeta

Agora, o governo vai liberar o segundo lote do pagamento, porém muita gente reclama que nem a primeira parcela recebeu. A gestão dessa crise é horrível, diria que inexistente. Cada um por si.

O ponto chave de não utilização é disputa politica, pois passaria o protagonismo para as esferas municipais. Se existe alguma pretensão eleitoral em 2022 não seria interessante passar esse protagonismo para outras esferas que já demonstraram ser oposição do atual governo.

O Brasileiro não precisa ser estudado, precisa estudar.

Renan Aversani

PUBLICIDADE

você pode gostar também
1 comentário
  1. M.Sueli.M.Ortega Diz

    Bom dia
    Realmente: O brasileiro nao precisa ser estudado ,precisa estudar.
    Precisamos ter um estudo digno, não mais estudos alienado, oferecido pelos nossos governantes com intenções de favorecer interesses políticos.
    Excelente matéria.
    Parabéns

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

13 − seis =