O Jornal Analítico é um projeto profissional independente que busca através das notícias, opiniões e análises criar um senso crítico que amplie a capacidade de entendimento social do leitor. Sempre com a seriedade que o jornalismo profissional necessita. Amplie-se.

-Publicidade-

Autoteste de Covid é liberado pela Anvisa

0

Autoteste de Covid é liberado pela Anvisa. Saiba como funciona, onde comprar e mais.

O uso de Autoteste de Covid é liberado por Diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta sexta-feira (28). Os testes, que poderão ser feitos pelo paciente em casa e sem a ajuda de um profissional da saúde, serão uma ferramenta a mais para diagnosticar a infecção pelo coronavírus.

Entretanto a decisão não tem efeito imediato: cada empresa interessada em comercializar sua versão do produto precisa pedir o registro junto à agência, que vai analisar cada solicitação.

A medida vale apenas para os chamados testes de antígenos (feito a partir do swab que coleta o material no fundo da boca e do nariz e busca sinais de anticorpos gerados pelo corpo após a infecção), e não se aplica aos teste RT-PCR (mais preciso, mais demorado e que detecta a presença do material genético do coronavírus).

PUBLICIDADE

O que é o Autoteste?

O autoteste é parecido com o teste rápido de antígeno, mas pode ser feito por leigos, em casa. O kit vem com um dispositivo de teste, tampão de extração, filtro e o swab – uma espécie de cotonete usado para a coleta nasal.

O chamado “teste de antígeno” é capaz de identificar o antígeno viral, que é uma estrutura do vírus que faz com que o corpo produza uma resposta imunológica contra ele – os anticorpos.

O autoteste serve como uma ferramenta de acompanhamento. A pessoa pode fazer o teste para saber se ainda está positiva, mas tem um papel muito importante de prevenção. A pessoa que optar por comprar o produto poderá se testar para evitar a transmissão e assim prevenir o contágio de terceiros.

Onde será vendido?

Os autotestes ainda não estão disponíveis para compra. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), cada empresa interessada em comercializar sua versão do produto precisa pedir o registro junto à agência, que vai analisar cada solicitação.

A venda deve ocorrer em farmácias e estabelecimentos que podem comercializar produtos de saúde, desde que tenham a licença sanitária e estejam regularizados. Sobre vendas pela internet, só esses estabelecimentos estarão aptos para vender. Eles não poderão ser vendidos em e-commerces.

O autoteste servirá como comprovante para viagens ou atestado médico?

Não. A Anvisa alerta que o autoteste não gera um laudo. “Você terá uma informação de uso individual. Ele não serve como comprovante que você não tem Covid para viagem internacional, por exemplo, como também não será diretamente aceito pelo empregador para fins de dispensa do trabalho. Caso dê positivo, você precisa passar por um profissional de saúde”, explica a agência.

O autoteste pode dar falso negativo?

Sim, pode ocorrer um resultado falso negativo, pois o autoteste não tem a sensibilidade de um teste PCR.

Enquanto o teste de antígeno detecta pequenas estruturas que estimulam o sistema imune, o PCR detecta o código genético do vírus.

O teste de antígeno indica que a pessoa tem uma infecção ativa – e pode infectar outras. Já o exame PCR é capaz de detectar, além do vírus replicante, pedaços do vírus que não são capazes de infectar outras pessoas.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

11 − 9 =